Box-Top-Cart-ALP

Polícia Federal: concurso deve sair ao longo de 2016

Quinta, 28 Janeiro 2016 00:00

A seleção da PF pode ser uma das exceções do processo de suspensão de concursos federais. Cargos apresentam salário inicial de R$ 16,8 mil

Cresce a expectativa pela realização do novo concurso público da Polícia Federal  (PF) para os cargos de delegado e perito. Embora a presidente Dilma Rousseff tenha anunciado, em setembro, um pacto de contenção de gastos que limita a realização de novos concursos em 2016, a administração pública já admite a possibilidade de algumas autorizações, em casos pontuais. Dentro deste contexto, um dos que devem ser priorizados é justamente o da PF.
 
O motivo é que o decreto 8.326, da presidência da república, de 10 de outubro de 2014, determina que o órgão não precisa mais de autorização por parte do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) para realizar novos concursos. Precisa, apenas, de um parecer do órgão sobre as condições financeiras para o preenchimento das vagas. Com isto, segundo responsáveis pelo setor de recursos humanos da PF, esta confirmação dos recursos vem sendo discutida com o ministério, para que a seleção possa, efetivamente, ocorrer ainda em 2016.
 
De acordo com o decreto presidencial, a PF pode iniciar novo concurso sempre que o quadro de pessoal contar com uma defasagem de pelo menos 5% dos servidores.
 
Com isto, o novo concurso deve contar com uma oferta de 558 vagas, sendo 491 para a carreira de delegado e 67 para peritos. Para concorrer a perito é necessário possuir curso de nível superior em áreas específicas e para delegado, superior em direito, com pelo menos três anos de atividade jurídica ou policial, comprovados na data da posse. As remunerações iniciais, para os dois cargos, são de R$ 16.830,85, com jornada de trabalho de 40 horas semanais.
 
No último concurso da Polícia Federal para estes cargos, o preenchimento das vagas ocorreu prioritariamente nos postos de fronteira e nos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima, permitindo a remoção de servidores que já atuam nestas localidades. Obedecida estas condições, o preenchimento pode ser feito em todos os Estados, de acordo com as necessidades. As provas costumam ser aplicadas em todas as capitais e no Distrito Federal, exceto o exame oral, que ocorre somente em Brasília (DF).
 
Fonte: jcconcursos